Exposição “Gigantes do Kariri – Um Voo pela Paleoarte” aberta na URCA

images/stories/paleoarte  1.jpg

A exposição itinerante “Gigantes do Kariri – Um Voo pela Paleoarte”, foi aberta na noite desta terça-feira, 21, no Salão da Terra, no campus do Pimenta, da Universidade Regional do Cariri (URCA). O evento continua no espaço até o dia 21 de dezembro, com visitações do público e pré-agendadas pelas escolas da rede pública de ensino, preferencialmente, com acompanhamento de um técnico.

Pinturas e esculturas de animais da Era Cretácea, foram desenvolvidas pelo artista visual, Francisco dos Santos, para a exposição, com curadoria de Edvânia Martins, com ampla pesquisa científica para a elaboração das peças.

A exposição está sendo realizada por meio do Geopark Araripe, através da Pró-reitoria de Extensão da URCA e a Shanadú Ateliê Escola. O evento foi aberto pelo Vice-Reitor da Universidade, Professor Francisco do Ó de Lima Júnior. Ele destacou a importância da exposição, que já aconteceu no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB), em Juazeiro do Norte. Para o Vice-Reitor, esse é um trabalho muito importante e é simbólico do ponto de vista da ciência, de tornar mais concreto, através da paleoarte, um trabalho muito complexo para ser desenvolvido. Outro aspecto é mostrar um pouco do que representa o Geopark Araripe.

images/stories/paleoarte  2.jpg

O artista visual Francisco dos Santos afirma que um trabalho como esse não se faz da noite para o dia, mas exige pesquisa apurada, com informações científicas. As esculturas foram confeccionadas em resina acrílica. No caso dos animais maiores, como um Santana raptor placidus, ele usou PVC para o esqueleto, com revestimento em tela de arame, devido a composição da musculatura e acabamento com epóxi e a textura com pelúcia e penas.

São 10 peças, e mais 10 serão produzidas, para finalizar a montagem da exposição. O seu objetivo é produzir todos os pterossauros e dinossauros que viveram na região. O artista passou cerca de três anos realizando pesquisas para produzir o trabalho com apoio dos professores da Universidade, para consultoria, a exemplo do doutor em Paleontologia e coordenador do Laboratório de Paleontologia da URCA, Professor Álamo Feitosa.

O Professor Álamo Feitosa, agradeceu a Francisco dos Santos. Ele disse que viu a ideia amadurecer para que fosse realizada a exposição. Conforme o professor, fazer paleoarte é extremamente difícil, unindo a pintura, escultura, e toda a pesquisa realizada pelo artista. “Impressiona a riqueza de detalhes e o que o artista pôde trazer de forma concreta”, afirmou.

As instituições que tiverem interesse de participar da exposição devem entrar em contato com o Geopark Araripe para agendarem as visitas guiadas pelos técnicos do projeto, principalmente escolas da rede pública de ensino.

Coordenador do Geopark, Nivaldo Soares, agradece a todos pela contribuição do trabalho e que a exposição possa acontecer ao longo de seis meses, pelos municípios que compõem o Geopark. Ele ressaltou a riqueza de detalhes apresentada por meio das obras de Francisco dos Santos, com curadoria de Edvânia, no sentido de socializar o patrimônio existente. E que possa ter uma circulação que favoreça de forma promissora o conhecimento da sociedade e encantar a todos com esse trabalho”, afirma o coordenador.

A Curadora Edvânia Martins ressaltou que a exposição foi pensada inicialmente de maneira informal, e veio a ideia de explorar esse trabalho por meio da paleoarte. Para o desenvolvimento da exposição, foi formada uma rede de parceiros, para verificar quais os animais que seriam inseridos, além de dar um padrão científico. Com isso, a mostra passa a reunir o primeiro acervo dentro dos padrões científicos da paleoarte da região.

images/stories/paleoarte  3.jpg

images/stories/paleoarte  5.jpg