Home
DECLARAÇÃO DO ARARIPE

DECLARAÇÃO DO ARARIPE

araripe-1

Entre os dias 17 e 19 de novembro de 2010, ocorreu, no Geopark Araripe (Brasil), a 1ª Conferência Latino – Americana e Caribenha de Geoparques (LAC), com o apoio da UNESCO, tendo estado presentes 250 delegados representantes de países de diversos continentes. Como resultado dos encontros e discussões efetuadas no decurso deste evento, foi adotada pelos participantes a Declaração do Araripe, com o seguinte teor:

1. Os Geoparques, desenvolvidos sob os auspícios da UNESCO, constituem os novos territórios do século XXI. A filosofia e a visão desses territórios, onde a conservação, valorização e educação, tanto sobre o Patrimônio Geológico – a memória da Terra – como sobre o patrimônio Natural e o Patrimônio Cultural tangível e intangível, encontram-se a serviço de um desenvolvimento sustentável e correspondem a uma necessidade e a uma preocupação os povos da região continental da América Latina e do Caribe.
2. Estes países devem esforçar-se em prol da criação e do desenvolvimento de Geoparques, valorizando a sua realidade, baseada sobre uma das maiores biodiversidades do mundo e uma ampla e diversificadas história geológica, que podem ser descobertas através de sítios excepcionais, de uma longa história e da memória humana, conservadas, entre outros, graças à presença da população indígena, transmitindo desta forma uma visão holística de relação entre a Terra e os seus habitantes, através do resgate da sua identidade.
3. Os projetos de criação de Geoparques apenas poderão ter sentido e êxito com a participação efetiva de todos, sem exceção. A definição dos diferentes elementos patrimoniais de um território, dos seus interesses e das suas necessidades de uso, conservação e valorização, deve resultar do trabalho de equipes científicas multidisciplinares (geólogos, paleontólogos, biólogos, educadores, etnólogos, historiadores, economistas, gestores, etc.). As políticas de desenvolvimento sustentável devem também resultar do trabalho de reflexão de equipes pluridisciplinares, nas quais se incluam autoridades a todos os níveis, representantes da sociedade local.
4. Uma das especificidades e riquezas da nossa região continental é a presença de populações indígenas. Estas têm consagrado o seu direito à livre determinação. Assumem-se como o espelho do mundo natural em que vivem e possuem conhecimentos tradicionais e direitos de proteção do conhecimento sobre plantas, com destaque para as ervas medicinais, animais, paisagens, rochas e minerais. Esta relação ética, espiritual e sagrada com a natureza deve ser entendida como um valor adicional inestimável para todos os projetos de Geoparques na América Latina e no Caribe.
5. O desenvolvimento sustentável em um Geoparque não significa necessariamente uma aposta turística nem a abertura de territórios naturais sensíveis a um turismo de massa. Representa, sim, um turismo consciente, responsável e independente. Um Geoparque deve ser um verdadeiro território de ideias e de projetos, e a sua estratégia de desenvolvimento sustentável deve ser inovadora, ponderada, integrada, respeitadora das tradições e vontades locais, além de proporcionar igualdade entre a sua população. Além disso, a criação de uma marca para os produtos do território do Geoparque, baseada num conjunto de especificações de qualidade, deverá constituir um elemento importante do seu desenvolvimento econômico.
6. Os Geoparques representam um estandarte de um território de alta qualidade que apenas pode ser obtido com um trabalho em rede nos níveis local, nacional, regional e mundial. Este permitirá o desenvolvimento de instrumentos de cooperação regional e global, através da partilha de experiências e práticas de gestão entre Geoparques, e a proposta de múltiplas ações de formação tanto dos atores sócio-econômicos do território, como dos futuros gestores de novos projetos de Geoparques.
7. O Governo do Estado do Ceará, criador, com a Universidade Regional do Cariri, do primeiro Geoparque da América Latina e Caribe, com o apoio do Governo Federal do Brasil, se compromete, nesta declaração, a mobilizar os meios humanos, tecnológicos e econômicos para apoiar e facilitar o desenvolvimento de projetos de Geoparques nesta região, antevendo assim a criação de uma futura Rede Latino-Americana e Caribenha de Geoparques. Geopark Araripe (Ceará, Brasil), dia 19 de novembro de 2010.